22/08/2012 - Medicina Geral

São Paulo tem o dia mais seco desde 2009

São Paulo tem o dia mais seco desde 2009

Doenças otorrinolaringológicas sofrem considerável aumento nesse período do ano.

Quem percorreu os setores de urgência e emergência dos hospitais de São Paulo nesta terça-feira, percebeu o maior movimento. Grande parte deste aumento na demanda tem relação com a baixa umidade relativa de ar, que atingiu valores críticos, próximos a 10%. A umidade considerada ideal é de cerca de 60%.
O ar seco, associado a fuligem e poluição pode causar piora nos quadros inflamatórios de vias aéreas superiores conforme informa reportagem do jornal O Estado de São Paulo de hoje:

Saúde. A Defesa Civil alerta os paulistas que sempre que a umidade relativa do ar estiver abaixo dos 30%, no estado de atenção, deve ser evitada a prática de exercícios físicos ao ar livre e recomenda o uso de umidificadores de ambiente, como vaporizadores, toalhas molhadas ou recipientes com água, além de beber bastante água ao longo do dia.
Espirros, tosse, ressecamento da garganta, o aumento de infecções respiratórias, crises de rinite, asma e o ressecamento da pele estão entre os principais sintomas que as pessoas, principalmente adultos e crianças, podem sofrer com o ar seco. A Defesa Civil aconselha àqueles que tiverem o aumento dos sintomas a procurarem orientação médica.”
Portanto, o ideal é manter-se bem hidratado, umidificar o ambiente doméstico, e utilizar soluções fisiológicas para irrigacão e umidifcação das vias aéreas, principalmente o nariz. Em caso de suspeita de infecção ou sintomas persistentes, procure um otorrinolaringologista.

POSTAGENS RELACIONADAS